sábado, 30 de março de 2013

PARAHYBA MULHER MACHO



Direção: Tizuka Yamasaki. Com: Tânia Alves, Cláudio Marzo, Walmor Chagas, José Dumont, Osvaldo Loureiro, Grande Otelo e Chico Diaz. 83 min.

Um pouco de história do Brasil não faz mal a ninguém. Este segundo filme de Tizuka Yamasaki (Gaijin - Os caminhos da liberdade), baseado no livro Anayde Beiriz - Paixão e morte na revolução de 30 de José Joffily, que depois se tornou diretor (Quem Matou Pixote?), conta a história real de Anayde (Tânia Alves no auge de sua carreira), uma mulher liberada e à frente de seu tempo. Ela foi amante de João Dantas (Cláudio Marzo) aliado do Partido Republicano que combatia a Aliança liberal, representada por João Pessoa (Walmor Chagas). Quando a situação se torna insustentável, João Dantas assassina João Pessoa, o que desencadeou a revolução de 30.

Parahyba Mulher Macho é um misto de história do Brasil com muita sensualidade nas cenas protagonizadas por Tânia Alves e Cláudio Marzo. Ela aparece nua várias vezes e é um furacão prestes a acontecer.


A figura de Anayde é bem forte. Ela é professora de adultos no início, mas depois isso é esquecido. É também poetisa e fica declamando seus versos quando está nos braços de João Dantas; tem idéias revolucionárias sobre política, mas todas elas ficam abafadas devido ao amor que sente por ele. E como naquela época as mulheres não podiam nem votar, suas idéias ficam só nas intenções. O título do filme dá a ideia de uma mulher que faz acontecer suas vontades, mas na realidade não é bem assim. Talvez esse título seja relacionado à música "Paraíba" de Luiz Gonzaga (Paraíba masculina, mulher macho sim senhor) cantada por Tânia Alves que também é cantora. Apesar de forte, ela acaba ficando à sombra se seu amante. E dizem que na realidade, ela nem foi precursora do feminismo como se alardeava.

Com certeza é um filme interessante, mas poderia ter rendido muito mais.


Um comentário:

  1. Como vc disse meu amigo, historia do cinema brasileiro nunca é demais.

    ResponderExcluir