segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

OS ASTROS DA CHANCHADA


Ao contrário da pornochanchada, onde as atrizes conseguiram maior destaque que os atores, na chanchada foram eles que fizeram longa carreira, quase que totalmente no gênero:



OSCARITO (Oscar Lorenzo Jacinto de la Imaculada Concepción Tereza Dias) formou com Grande Otelo a dupla mais famosa da chanchada, onde estreou em “A voz do Carnaval” (1933) ao qual se seguiram “Alô, alô Carnaval” (1936), “Banana da terra” (1938), “Este mundo é um pandeiro” (1947), “E o mundo se diverte” (1948), “Carnaval no fogo” (1949), “Aviso aos navegantes” (1950), “Barnabé tu és meu” (1952), “Matar ou correr” (1954), “Nem Sansão, nem Dalila” (1954), “De vento em popa” (1957), “Esse milhão é meu” (1958), “Pintando o sete” (1959), “Dois ladrões” (1960) e “Entre mulheres e milhões” (1962).



GRANDE OTELO - teve uma longa carreira que durou quase sessenta anos e uma centena de filmes nos mais variados gêneros, passando da chanchada ao cinema novo, cinema marginal e até as pornochanchadas. Estreou em “Noites cariocas” (1935) e depois atuou em “Laranja da China” (1940), “Samba em Berlim” (1943), “Este mundo é um pandeiro” (1947) que foi a primeira parceria com Oscarito, “O caçula do barulho” (1949), “Aviso aos navegantes” (1950), “Carnaval Atlântida” (1952), “Amei um bicheiro” (1953), “Matar ou correr” (1954), “Depois eu conto” (1955), “A baronesa transviada” (1957), “É de chuá” (1958), “Mulheres à vista” (1959), “Vai que é mole” (1960), “Os cosmonautas” (1962) e “Quero essa mulher assim mesmo” (1962).




ANKITO – Depois de longa carreira circense, estreou em “É fogo na roupa” (1952) e mais “Os três recrutas” (1953), “Angu de caroço” (1955), “De pernas pro ar” (1957), “E o bicho não deu” (1958), “Pé na tábua” (1959), “Sai dessa recruta” (1960) e “Um candango na belacap” (1960). Foi um dos maiores cômicos brasileiros, atuando em seguida esporadicamente na televisão e em outros gêneros de filmes.





JOSÉ LEWGOY – É considerado o grande vilão da chanchada, mas participou de filmes de todas as fases do cinema brasileiro e até do cinema internacional no qual fez com Werner Herzog “Fitzcarraldo” e “Cobra verde”. Estreou em “Carnaval no fogo” (1949 e fez depois “Aviso aos navegantes” (1950), “Aí vem o barão” (1951), “Barnabé tu és meu” (1952), “Amei um bicheiro” (1953), “Carnaval em Caxias” (1954) e “Matar ou morrer” (1954). Seu último filme foi “Apolônio Brasil, campeão da alegria” (2003) de Hugo Carvana, que era uma espécie de homenagem à chanchada.





ZÉ TRINDADE – Baixinho, gordinho, o bigode fininho marcando um rosto safado, criou as frases “Meu negócio é mulher” e “Mulheres cheguei”, que fazem o típico malandro. Seu segundo filme foi a chanchada “Fogo na canjica” (1948) e depois “Agüenta firme Isidoro” (1950), “Trabalhou bem, Genival” (1955), “Tira a mão daí” (1956), “Agüenta o rojão” (1958), “Massagista de madame” (1959), “Marido de mulher boa” (1960), “Mulheres, cheguei” (1961) e “Bom mesmo é carnaval” (1961). Trabalhou também na televisão (Memórias de um gigolô – 1986) e gravou 25 discos de música nordestina com trovas e pensamentos.



COSTINHA (Lírio Mário da Costa) nasceu em 1923, fez quase 50 filmes e grande sucesso na televisão, onde participou da “Escolinha do Professor Raimundo”. Teve sete filhos, três adotivos. Destacou-se em “Agüenta firme, Isidoro” (1950), “O rei do samba” (1952), “Angu de caroço” (1955), “O rei do movimento” (1955), “Sai de baixo” (1956), “Com jeito vai” (1957), “De pernas pro ar” (1957), “Sherlock de Araque” (1958), “Massagista de madame” (1959), “Entrei de gaiato” (1960), “O dono da bola” (1961), “007 ½ no carnaval” (1966) e a chanchada fora do tempo: “Como ganhar na loteria sem perder a esportiva” (1971).

Continua...

3 comentários:

  1. Por mais que eu goste de cinema, não gosto de chanchada. Não gosto nem de comédias. Não que eu seja mal humorada, pelo contrário. Gosto de comédias do tipo "Queime Depois de Ler", por exemplo (nem sei se o gênero é comédia, sei que eu me diverti muito, rs...). Vc viu esse filme? Se não viu, recomendo. rs

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Zé Trindade, um homem, esposo, pai e AVÔ maravilhoso. Sempre no meu coração, eu te amo muito!!!

    ResponderExcluir