sábado, 21 de julho de 2012

PORNOCHANCHADA: O SANTO DE CASA QUE FAZIA MILAGRES


David Cardoso e Vera Fischer em Sinal Vermelho: As fêmeas

Desde aqueles tempos até os dias atuais, a pornochanchada sempre foi tratada com preconceito por certa parte do público, em especial pelos intelectuais, por alguns falsos moralistas e até pelos próprios colegas da classe cinematográfica que encontravam qualidade apenas nas obras de Glauber Rocha ou Nelson Pereira dos Santos durante o Cinema Novo. Mas, se por um lado havia uma grande distância entre as propostas desses dois gêneros, também havia por outro, grande diferença em termos de procura pelo público, pois, em geral, este não era atingido pelas herméticas histórias de cunho político das obras de Glauber e Nelson.

Ao contrário, o grande público achava aquilo tudo muito chato, além de seu nível de informação, enquanto a pornochanchada era de fácil assimilação, com temas que faziam parte da vida ou da fantasia de cada um daqueles indivíduos que compunham a grande e fiel plateia, que esperava impacientemente pela próxima produção. Esse tipo de filme, então, parecia ser a “galinha dos ovos de ouro” dos produtores, pois custava pouco e tinha retorno garantido de bilheteria.


Wilza Carla e Cecil Thiré em Ainda agarro esta vizinha

Como as pornochanchadas eram sucesso garantido de público, não tinham problemas com os exibidores e distribuidores, ao contrário do que acontecia com muitos filmes brasileiros que sofriam uma certa rejeição por parte do exibidor tradicional. Evidentemente haviam outras produções, outras propostas bem sucedidas transitando neste nicho do gosto popular, como por exemplo os filmes de Mazzaropi e os primeiros filmes dos Trapalhões – isso na década de 70.

Ao contrário do velho ditado popular, a pornochanchada era “o santo de casa que fazia milagres”, pois manteve grandes bilheterias por mais de 15 anos, o que justifica os números registrados: entre os filmes nacionais mais vistos entre 1970 e 1985, encontramos 59 pornochanchadas que conseguiram mais de um milhão de espectadores, e 132 filmes que receberam entre 500 mil e um milhão de público. Como se sabe, o texto em si nem sempre saia das mãos de conhecidos autores, mas isso, aparentemente, não era mesmo a principal preocupação dos produtores. No caso da pornochanchada alguns outros ingredientes se tornavam fundamentais, como por exemplo, mulheres bonitas e provocantes, homens também com um belo visual, e, sem dúvida, uma trama que oferecesse provocações sensuais a uma plateia que procurava o cinema exatamente com esse objetivo.

Adriana Prieto

Como primeiro grande sucesso desse gênero, podemos citar A Viúva Virgem de Pedro Carlos Rovai (1972), com o espantoso número de 2.635.962 espectadores. Esse filme foi protagonizado por Adriana Prieto, atriz que interpretou donzelas em diversos filmes, passando a ser conhecida como a “virgem profissional”, pois interpretou este papel nos filmes A Penúltima Donzela, A Viúva Virgem e Ainda Agarro Esta Vizinha, tornando-se bastante conhecida pelos cinéfilos da época. Com apenas 25 anos, logo após ter participado de O Casamento, de Arnaldo Jabor, em 1975, sofreu um trágico acidente de carro e faleceu prematuramente.

Alba Valéria, Carlo Mossy e Maria Lúcia Dahl em Giselle

Depois de A Viúva Virgem, vieram vários outros sucessos, atingindo números até então inusitados de espectadores, como os 1.241.913 que assistiram a Sinal Vermelho: as Fêmeas (1972) que foi a estreia no cinema da Miss Brasil Vera Fischer. Alguns outros números de espectadores também fogem do que se conhecia até então, como aconteceu nos filmes: Quando as Mulheres Paqueram (1972) com 1.218.525; Como Era Boa a Nossa Empregada (1973) com 2.163.036; A Superfêmea (1973) com 1.252.431; Ainda Agarro Essa Vizinha (1974) – 1.922.478; O Roubo das Calcinhas (1975) – 2.017.063; Bacalhau (1976) com 1.352.217, numa sátira ao filme Tubarão de Steven Spielberg; Dezenove Mulheres e um Homem (1977) com 1.018.727; Mulher, Mulher (1979) com 1.508.225; Giselle (1980) com 2.206.628 e Aluga-se Moças (1981) com 3.082.925, (o título do filme saiu assim com erro ortográfico mesmo, e ganhou em 1983 uma continuação de menor sucesso). Além desses, há centenas de outros títulos, todos com números espantosos de ingressos vendidos. Para que possamos avaliar a significância da pornochanchada no mercado cinematográfico, temos as seguintes informações no site da Ancine (Agência Nacional de Cinema): no ano de 1974, entre 20 filmes com mais de um milhão de espectadores, 9 eram pornochanchadas e em 1977, os 20 filmes que conseguiram atrair entre 500 mil e um milhão de espectadores eram comédias eróticas.

Jorge Dória em Como era boa nossa empregada




8 comentários:

  1. Excelente texto, Gilberto. Um riqueza de detalhes. Independentemente do gênero os filmes nacionais precisam ser revisitados. Parabéns por esse resgate. Você sempre surpreendendo. A ideia das fotos na postagem anterior foi de uma sacada lega, Gilberto. Um abraço...

    ResponderExcluir
  2. Eu fiz um curso esses tempos sobre o cinema brasileiro e a pornochanchada logicamente foi citada. Para o bem ou para o mal, foi um periodo marcante e merece ser revisitado.

    ResponderExcluir
  3. As pornochanchadas tem um grande importância no cinema brasileiro. Estas produções foram os grandes sucessos dos anos setenta e quando nos anos oitenta foram deixadas de lado, trocadas pelos filmes explícitos, as bilheterias das produções nacionais caíram terrivelmente.

    As chamadas produções normais dos anos oitenta eram em sua maioria filmes fracos, provavelmente foi a pior época de nosso cinema.

    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Vera Fischer, quanto mais velha mais linda fica. Período da censura. Não podia nada. Então o besterol rolava solto. E quando chegou a liberdade de expressão, as pessoas não sabiam o que fazer com ela. Até hoje ainda não sabem.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Gilberto, como eu já disse não sou especialista em pornochanchada, mas ler sobre os sucessos de bilheteria me fez lembrar que há alguns anos, quando haviam dois cinemas em minha cinema, um deles com o tempo acabou se tornando especialista nesse tipo de filme. Imagino que deve ser pelo sucesso que faziam! Hoje os dois cinemas não existem mais, abriu uma outra unidade em um hipermercado. Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. A Janice disse tudo. Fico com ela.

    ResponderExcluir
  7. Otimo texto! Adoro e me divirto com pornochanchadas. Algumas beiram a perfeição ao que se propõem.

    http://www.cinemadetalhado.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Pornochanchada,o único tipo de cinema que me interessa.

    ResponderExcluir